(43)988016280

NO AR

Som do Céu

radiopentecostes.com

Mundo

Card. Parolin: a Igreja é pacifista porque acredita e luta pela paz

Entrevista com o Cardeal Secretário de Estado Pietro Parolin sobre a diplomacia da Santa Sé, publicada pela revista italiana de geopolítica “Limes” sob o título \"A Guerra Grande\"

Publicada em 09/08/22 às 08:47h - 9 visualizações

por Vatican News


Compartilhe
 

Link da Notícia:

Card. Parolin: a Igreja é pacifista porque acredita e luta pela paz  (Foto: Vatican News )

Vatican News – Vatican News

“A diplomacia da Santa Sé não está ligada a um Estado, mas a uma realidade de direito internacional que não tem interesses políticos, econômicos ou militares. Ela se coloca a serviço do bispo de Roma, que é o pastor da Igreja universal". Assim começa a entrevista com o Cardeal Secretário de Estado Pietro Parolin, publicada na última edição da revista Limes intitulada "A Guerra Grande".

O cardeal fala da diplomacia da Santa Sé, que é universal porque os "representantes do Papa são provenientes das Igrejas locais de todo o mundo" e têm uma "clara função eclesial", da geopolítica, "indispensável para exercer a profissão diplomática da maneira mais eficaz possível". Também do papel internacional do Papa Francisco, símbolo junto com seus predecessores de "uma Igreja menos eurocêntrica" e de "uma visão multilateral dos problemas internacionais". Outro tema é longa atividade diplomática do Cardeal Parolin, pela qual "agradeço a Deus que, nas diversas situações em que me encontrei, me deu a graça, apesar das fraquezas e limitações, de poder acompanhar a missão diplomática com o testemunho sacerdotal". Por fim o cardeal fala sobre o caráter universal da Igreja dentro de um mundo complexo e fragmentado, caracterizado pela "terceira guerra mundial em pedaços" que o Papa vem falando há anos.

Uma bússula: o Evangelho

Em tudo isso, a bússola a seguir é e será uma só: o Evangelho. "Anúncio de paz, promessa e dom de paz", explica o Cardeal Parolin, "presente em todas as suas páginas. Os anjos a invocam no momento do nascimento de Jesus em Belém. Ele mesmo a deseja aos seus, logo depois que ressuscita. A Igreja segue o exemplo do seu Senhor: acredita na paz, trabalha pela paz, luta pela paz, dá testemunho da paz e tenta construí-la. Neste sentido, é pacifista".

Uso das armas

E quanto ao uso de armas, Parolin ressalta que "o Catecismo da Igreja Católica prevê a legítima defesa. Os povos têm o direito de se defenderem se forem atacadas. Mas esta legítima defesa armada deve ser exercida sob certas condições que o mesmo Catecismo enumera: que todos os outros meios para pôr fim à agressão tenham se mostrado impraticáveis ou ineficazes; que existam razões bem fundamentadas para o sucesso; que o uso das armas não cause maior mal e desordem do que os que devem ser eliminados". Portanto, o uso das armas. Desproporcional e imprudente. Em muitas partes do mundo. Porque, como aponta o Cardeal Parolin na entrevista à Limes, "a guerra começa no coração do homem. Todo insulto sangrento distancia a paz e torna qualquer negociação mais difícil". O Papa frequentemente repete isto em seus apelos. No entanto, observa o Secretário de Estado, "a voz do papa é frequentemente vox clamantis no deserto ("uma voz que grita no deserto"). É uma voz profética de perspicaz profecia. É como uma semente lançada que precisa de solo fértil para dar frutos. Se os principais protagonistas do conflito não levarem em consideração suas palavras, infelizmente, nada acontece, não se consegue o fim dos combates". “Ainda hoje", continua Parolin, "no trágico caso ucraniano, no momento, não parece haver nenhuma disponibilidade de se envolver em verdadeiras negociações de paz e de aceitar a oferta de mediação super partes".

Paz e guerra começa nos corações

Como é evidente, não basta que uma das partes o proponha ou assuma unilateralmente, mas é imperativo que ambas as partes expressem sua vontade a esse respeito. Mais uma vez... vox clamantis no deserto. Mas as palavras do Papa ainda são um testemunho do mais alto valor, afetando muitas consciências, tornando os homens mais conscientes de que a paz e a guerra começam em nossos corações e que todos somos chamados a dar nossa contribuição para promover a primeira e evitar a segunda".

Guerra na Ucrânia

Impelido por perguntas dos interlocutores, com referência à Ucrânia Parolin reconhece "a possibilidade de um salto negativo na direção da união da ‘guerra em pedaços’ para um verdadeiro e real conflito mundial. Acredito que ainda não somos capazes de prever ou calcular as consequências do que está acontecendo. Milhares de mortos, cidades destruídas, milhões de deslocados, o ambiente natural devastado, o risco de fome devido à falta de grãos em tantas partes do mundo, a crise energética... Como é possível que não reconheçamos que a única resposta possível, o único caminho viável, a única perspectiva viável é deter as armas e promover uma paz justa e duradoura?”.

Disponibilidade do Papa

Precisamente sobre a possibilidade de uma viagem do Papa Francisco aos países em conflito no Leste Europeu, o Secretário de Estado especifica que o maior desejo do pontífice, "e portanto sua prioridade", é que "através de suas viagens, possam ser alcançados benefícios concretos ". Com isto em mente, ele disse que queria ir à Kiev para levar conforto e esperança às pessoas afetadas pela guerra. Da mesma forma, anunciou sua disponibilidade para ir também à Moscou, na presença de condições que sejam verdadeiramente úteis para a paz". Parolin continuou observando que o diálogo entre Roma e Moscou é "difícil, e prossegue em pequenos passos, com fases alternadas de altos e baixos", mas "não foi interrompido". O encontro em Jerusalém entre o Papa Francisco e o Patriarca Kirill foi suspenso porque "não teria sido compreendido e o peso da guerra em curso teria condicionado em demasia".

Santa Sé e China

Uma parte fundamental da entrevista é dedicada ao acordo secreto entre a Santa Sé e a China. "O diálogo entre a Santa Sé e a República Popular da China", diz o Secretário de Estado, "começou por desejo de São João Paulo II e continuou durante os pontificados de Bento XVI e de Francisco, levando em 2018 à assinatura do acordo provisório sobre a nomeação de bispos na China. É precisamente a característica da provisoriedade que aconselhou as partes a não torná-lo público, enquanto se aguarda a verificação de seu funcionamento em campo e uma decisão em mérito". Além disso, acrescenta Parolin, ao "avaliar o resultado do acordo, parece-me que posso dizer que foram feitos progressos, mas que nem todos os obstáculos e dificuldades foram superados e, portanto, ainda há algum caminho a percorrer para sua implementação bem sucedida e também, através de um diálogo sincero, para seu melhoramento".

Ao apontarem como no mundo de hoje "as potências parecem não ser mais capazes de se entenderem", "regras antigas e hábitos diplomáticos são violados" e "tons polêmicos chegam a insultos sangrentos até entre Chefes de Estado", a esperança de Parolin é justamente que todas as diplomacias assumam uma perspectiva universal, comprometendo-se em tutelar a dignidade e os direitos fundamentais, defendendo os mais fracos e os últimos da terra, trabalhando em favor da vida. Aprendendo a "respirar ao ritmo da universalidade".




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








.

Entre em contato conosco pelo whatsapp

(43) 98801-6280

Visitas: 152464
Usuários Online: 145
Copyright (c) 2022 - OLÁ OUVINTES E TELESPECTADORES - Seja um Patrocinador desta Obra de Evangelização entre em contato conosco 43-988016280
Converse conosco pelo Whatsapp!